Conhecer os riscos existentes no local de trabalho é fundamental para a identificação das medidas que podem e devem ser tomadas a fim de evitar a ocorrência de acidentes e garantir a saúde e segurança do colaborador. Nesse cenário, a análise preliminar de risco (APR) é uma ferramenta importante, sobretudo no início de algum projeto ou processo.

Você sabe o que é APR? Qual a sua importância para prevenção de acidentes? Como ela deve ser feita? Para responder a essas e outras perguntas sobre o tema, preparamos este post para você. Confira!

O que é análise preliminar de riscos?

Essencialmente, a APR consiste em um estudo prévio e detalhado acerca das etapas de realização de determinada atividade ou de um processo, com vista à identificação de eventuais riscos envolvidos no trabalho e das medidas mais adequadas para prevenção de acidentes.

Como a APR tem finalidade preventiva, ela deve ser realizada no início de um projeto de uma nova tarefa ou na implementação de um processo, sobretudo nas atividades em que as normas regulamentadoras estabelecem sua obrigatoriedade — por exemplo, nos trabalhos em alturas, em espaços confinados, em instalações e serviços de eletricidade, na construção civil, nos trabalhos com inflamáveis, máquinas e equipamentos etc.

Qual a importância da APR para prevenção de acidentes?

O principal objetivo da APR é identificar os riscos existentes no ambiente de trabalho e, a partir disso, estabelecer quais ações devem ser adotadas para a correção de eventuais falhas e a garantia da segurança e saúde do trabalhador durante o desempenho das atividades laborais. Justamente por isso, ela é extremamente importante na prevenção de acidentes.

Além disso, a APR é importante porque ela objetiva também:

  • organizar a execução das atividades;
  • antecipar problemas futuros;
  • orientar os colaboradores acerca dos riscos e medidas de segurança;
  • criar métodos para redução de danos, nos casos da ocorrência de acidentes.

Cabe ressaltar, ainda, que a APR auxilia na elaboração de diversos programas de segurança, tais como o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) e PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional), bem como na identificação de quais equipamentos de proteção individual devem ser utilizados pelos colaboradores.

Como é feita a análise preliminar de risco?

A APR deve ser elaborada por um engenheiro ou técnico de segurança do trabalho, o qual deve contar com o auxílio de todos os colaboradores envolvidos na atividade foco do estudo, sobretudo para que nenhuma informação relevante acerca do ambiente de trabalho e seus riscos deixe de ser percebida.

Para fazer a APR, o profissional deve observar algumas etapas. Dentre elas, podemos citar:

  • obtenção de informações acerca da atividade e ambiente de trabalho;
  • identificação de perigos;
  • identificação e listagem dos riscos;
  • identificação das causas de acidentes e eventuais vulnerabilidades;
  • identificação dos trabalhadores e terceiros expostos aos riscos;
  • estimativa dos efeitos da concretização do perigo;
  • classificação dos riscos;
  • identificação e implementação de medidas para controle dos riscos.

Como você pôde perceber, a análise preliminar de riscos tem caráter preventivo. Por isso, ela traz inúmeros benefícios para a empresa. Afinal, por meio dela, é possível antever os riscos existentes no local de trabalho e identificar as medidas necessárias para a prevenção de acidentes. Ao garantir a segurança e a saúde do trabalhador, a empresa evita processos trabalhistas, autuações e, claro, fortalece a imagem da marca do mercado.

Agora que você já sabe a importância da análise preliminar de risco, descubra se a sua empresa está preparada para a nova etapa do e-Social!

Caso você queira conhecer mais sobre a SAFE, visite nosso site no endereço www.safesst.com.br. Se quiser entrar em contato direto conosco, envie um e-mail para contato@safesst.com.br ou clique aqui.

Autor

Escreva um comentário

Share This