Incêndios florestais: entenda seus impactos no meio ambiente e na saúde da população!

Os incêndios florestais têm aumentado consideravelmente não só no Brasil como em diversos países do mundo. Os impactos gerados por esse tipo de desastre, além de afetarem diretamente o meio ambiente, também trazem consequências negativas para a saúde da população e abrange toda uma questão socioeconômica.

Episódios de incêndios causam uma série de efeitos, cujo grau varia em função da intensidade, topografia, combustível e condições meteorológicas. Mas seja em maior ou menor grau, as consequências e os impactos podem provocar danos irreparáveis.

Por isso, preparamos este conteúdo para que você entenda as principais causas desses incêndios, seus impactos e como evitar essa situação. Continue lendo e confira!

Quais são as principais causas dos incêndios florestais?

Considerados como catástrofes naturais, os incêndios florestais ocorrem conforme há alterações do uso do solo que, na maioria das vezes, passam a oferecer grandes quantidades de material combustível, facilitando o início das queimadas. Dessa forma, a intervenção humana é a principal responsável pela origem dos incêndios, que podem decorrer de:

  • extrativismo – prática de atividades de exploração dos recursos naturais;
  • expansão das áreas rurais – renovação de pastagens, desmatamentos e o desconhecimento das técnicas que podem evitar a prática de queimadas;
  • fenômenos naturais – incêndios originados por descargas atmosféricas (raios).

Quais os principais impactos para o meio ambiente e para a saúde humana?

A falta de planejamento e responsabilidade faz com que os incêndios florestais resultam em grandes impactos para o ecossistema e saúde humana, tais como:

  • morte de animais silvestres – os animais entram em pânico diante do incêndio e não conseguem fugir. Muitos acabam morrendo, o que diminui a proporção do equilíbrio da fauna com alterações drásticas de biotipos, principalmente para as espécies já ameaçados de extinção;
  • perda de solo – a destruição da camada vegetativa superficial traz desnutrição de matéria orgânica e deixa os solos mais vulneráveis à erosão;
  • emissão de CO2 – liberação de toneladas de gases fortemente poluentes para a atmosfera, contribuindo de forma danosa para o efeito estufa;
  • perda da biodiversidade – conforme a intensidade do incêndio, toda flora e fauna são gravemente afetadas, podendo extinguir animais e plantas;
  • doenças respiratórias – a emissão de poluentes no ar causa um efeito perigoso para a saúde da população, principalmente em idosos, crianças e pessoas com problemas respiratórios. Assim, os incêndios podem causar processos inflamatórios da via aérea, infecções pulmonares e brônquicas, além da piora de doenças já pré-existentes.

O que pode ser feito para evitar essa situação?

A existência do fogo se dá por meio de três elementos: material combustível, calor e oxigênio. Para evitar incêndios florestais é preciso eliminar um ou mais destes elementos. Desse modo, vale a pena utilizar técnicas de prevenção, tais como:

  • utilizar cortinas de segurança com a implantação de vegetação menos inflamável;
  • realizar planejamento em ações de prevenção aos incêndios florestais;
  • promover sensibilização e educação ambiental;
  • eliminar ou reduzir as fontes de propagação;
  • construir aceiros em volta de matas e terrenos;
  • aplicar de forma rígida a lei com a fiscalização e punição dos culpados;
  • realizar denúncias.

Todas essas ações têm como objetivo monitorar, prevenir e combater os incêndios florestais, o que pode ser um grande desafio, especialmente para as situações de queimadas criminosas. Contudo, o uso do fogo em locais proibidos e a prática de omitir qualquer ato capaz de provocar incêndio florestal estão sujeitos a penalidades previstas na Lei n. 9.605/98. É preciso que haja uma mudança na postura da sociedade, fazendo com que as pessoas entendam que os impactos gerados são grandes e, muitas vezes, irreversíveis.

Como temos a convicção de que a prevenção sempre é a melhor saída, se tivéssemos que escolher duas formas de combater os incêndios florestais estas seriam a educação e a conscientização.

Gostou do nosso conteúdo? Então deixe seu comentário para que possamos saber a sua opinião!

Se quiser saber mais sobre a SAFE, visite nosso site no endereço www.safesst.com.br. Caso queira entrar em contato diretamente conosco, clique aqui.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.